Caso Felipe Feitoza: acusados vão a júri popular

26/ago/2010

Com  o voto da desembargadora Nelma Branco Ferreira Perilo, da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, foi mantida, nesta quinta-feira (26/8), decisão da 2ª Vara Criminal de Goiânia, que mandou a júri popular o auxiliar de contabilidade Fabrício Freitas Pacheco e o estudante Júlio César Gonçalves de Araújo. Eles são acusados de tentar matar o também estudante Felipe Borges Feitoza, após sua saída de um shopping no Setor Bueno, no dia 12 de julho de 2009.

Os acusados serão submetidos a julgamento pelo Tribunal do Júri com duas qualificadoras: motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima. A determinação é da juíza Zilmene Gomide da Silva, da 2ª Vara Criminal.

Segundo o Ministério Público (MP), o crime ocorreu por volta das 23h30, nas proximidades do Ginásio de Esportes do Jardim América. Acompanhado pelo primo Pedro Henrique, eles saíram do cinema e iam para casa quando foram abordados pelos dois acusados, que estavam em um veículo Golf prata. Um dos rapazes perguntou se eles moravam no Jardim América e, antes de obter qualquer resposta, Fabrício atirou contra Felipe, que foi atingido gravemente na cabeça.

Em seguida, Júlio César acelerou o carro fugindo do local do crime. Os acusados vinham de uma festa localizada no Setor Bueno, onde Júlio César já havia se envolvido em uma briga.

Texto: Natália Garcês