Buscar por notícias

Calendário de Notícias

Outubro 2018
S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4
 

Notícias do TJGO

Motorista alcoolizado que atropelou e matou idoso é condenado a 12 anos de prisão

Lucas Fraga Sabino foi condenado pelo Tribunal do Júri a 12 anos de prisão pela morte de Celso Bueno de Oliveira, ocorrida no dia 1º de maio de 2015, na Avenida T-9, na divisa dos Setores Bueno e Jardim América, em Goiânia. O réu estava alcoolizado quando dirigia em alta velocidade e invadiu a calçada da via, atingindo a vítima. A sessão de julgamento foi presidida pelo juiz Jesseir Coelho de Alcântara, da 3ª Vara dos Crimes Dolosos contra a Vida.

O caso é classificado como dolo eventual, quando não há intenção de matar, mas se assume o risco. Consta da denúncia oferecida pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), que Lucas dirigia a 117,67 quilômetros por hora, de acordo com laudo da Perícia Técnica –, sob efeito de bebida alcoólica – 0,78 miligramas de álcool por litro de ar – e realizava zigue-zague na pista. Ele perdeu o controle do Citroen C-4 Pallas, rodou na pista e atropelou o idoso, de 70 anos. Com o impacto, Celso de Oliveira teve o pé esquerdo decepado, foi socorrido e levado para um hospital, onde morreu 25 dias depois.

O magistrado considerou que a reprovabilidade da conduta do réu “deve ser considerada elevada, tendo em vista a atitude insana em conduzir um veículo em alta velocidade pelas ruas da capital, e ainda em alto grau de embriaguez”. Jesseir Coelho de Alcântara também frisou que as circunstâncias foram desfavoráveis a Lucas, uma vez que o acidente aconteceu na calçada, “lugar este apropriado para que os pedestres andem em segurança”.

Ainda na sentença, o juiz ressaltou que a vítima foi atingida no período noturno, quando dirigia-se para a residência do seu filho, a fim de comemorar o aniversário de seu neto e “que as consequências do crime foram muito graves, posto que com a atitude do acusado a vítima foi arrancada do seio e convívio familiar de maneira abrupta, pois ao que consta dos autos Celso gozava de plena saúde, podendo viver ainda muitos anos”. (Texto: Lilian Cury – Centro de Comunicação Social do TJGO)