Entre a série de temáticas apresentadas e debatidas nesta sexta-feira (6), segundo dia de atividades do 82º Encontro do Colégio Permanente de Corregedores Gerais dos Tribunais de Justiça do Brasil (Encoge), que está acontecendo em Foz do Iguaçu, no Estado do Paraná, uma delas teve grande destaque: a Biometria no Extrajudicial. Os trabalhos estão sendo acompanhados de perto pelo corregedor-geral da Justiça do Estado de Goiás, desembargador Kisleu Dias Maciel Filho, juiz Aldo Guilherme Saad Sabino de Freitas, auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça de Goiás, e Rui Gama da Silva, secretário-geral da CGJGO.

Pequenos esforços podem gerar grandes resultados. Essa é a frase usada para definir a união de esforços empreendida pela Presidência do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás e pela Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás para o alcance das Metas 2 e 8 deste ano, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), relativas ao julgamento de processos do primeiro grau, dos Juizados Especiais e das Turmas Recursais, bem como dos casos pendentes de julgamento referentes ao feminicídio e à violência doméstica e familiar contra a mulher.

Metas e instrumentos para a gestão estratégica do Poder Judiciário, seus desdobramentos, desafios e temáticas atuais nesta seara, deram o tom do 82º Encontro do Colégio Permanente de Corregedores-Gerais dos Tribunais de Justiça do Brasil (Encoge), que teve início nesta quarta-feira (4), no Hotel Bourbon Cataratas, em Foz do Iguaçu, no Estado do Paraná. O evento, cujo tema principal é “A Corregedoria e sua Atuação na Sociedade” e reúne desembargadores (corregedores-gerais de Justiça) de todo o País, conta com a participação do corregedor-geral da Justiça do Estado de Goiás, desembargador Kisleu Dias Maciel Filho, presente bem cedo ao início dos trabalhos desta quinta-feira (5), do juiz Aldo Guilherme Saad Sabino de Freitas, auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás, e do secretário-geral da CGJGO, Rui Gama da Silva.

Visando otimizar e modernizar a forma de acesso para anotações relativas aos registros documentais, possibilitando ainda a inclusão de vários eventos e interessados, a Diretoria de Tecnologia da Informação da Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás reformulou o antigo sistema, que passa a ser denominado Sistema de Anotações Documentais (SISAN). Segundo explicou o diretor de TI da CGJGO, Domingos Chaves, com essa reestruturação e a categorização das anotações será possível fazer buscas mais precisas. De janeiro deste ano até o presente momento, conforme relata Domingos, o número estimado de anotações é de 4,5 mil.

Fale conosco sobre esta página