CNJA coordenadora do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução das Medidas Socioeducativas (DMF), juíza auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Maria de Fátima Alves da Silva, enviou ofício ao presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), Gilberto Marques Filho, no dia 12 de setembro, parabenizando o tribunal goiano pelo empenho no cadastramento de presos e foragidos no Banco Nacional de Monitoramento de Presos (BNMP). O sistema foi desenvolvido pelo CNJ para acompanhar, em tempo real, a movimentação da população carcerária e dos procurados pelas autoridades.

A juíza auxiliar da Presidência do CNJ agradeceu toda equipe, juízes e servidores, que, segundo ela, desempenharam com dedicação as solicitações do departamento. “Foi colocado diante de nós o desafio de desenvolver o BNMP 2.0 e sem o empenho e a acolhida recebida deste tribunal o projeto hoje não seria realidade”, disse, ao se colocar à disposição para qualquer ajuda e esclarecimento. Devido o final da gestão da Ministra Cármen Lúcia à frente do CNJ, Maria de Fátima retorna aos trabalhos no Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJPA).

Amparando Filhos
Além de elogiar o desempenho no TJGO no BNMP, a juíza Maria de Fátima expediu ofício também solicitando mais informações acerca do “Programa Amparando Filhos – Transformando Realidades com a Comunidade Solidária”. O objetivo é que o projeto, de iniciativa do TJGO, seja levado ao Poder Judiciário das demais Unidades da Federação. “Diante da apresentação do programa, entendo ser uma oportunidade para que os tribunais estaduais conheçam a iniciativa, com vistas à veiculação de boas práticas na área do sistema carcerário”, ressaltou. (Texto: Arianne Lopes – Centro de Comunicação Social do TJGO)

Fale conosco sobre esta página