O Tribunal de Justiça de Goiás informa que, atendendo solicitação da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego) e depois da Associação Goiana do Ministério Público (AGMP), decidiu suspender a realização das audiências de custódia, mesmo por videoconferência, que continuavam ocorrendo na comarca de Goiânia. A decisão foi tomada após debate e aprovação, por unanimidade, no comitê de crise, composto por representantes do sistema de justiça, como Ministério Público, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Defensoria Pública. 

Já estava suspensa a realização de audiência de custódia presencialmente, mas mesmo por videoconferência, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio da resolução 313, de 19/3/20, estabeleceu exigências e restrições que não são possíveis de atender neste momento. Agora, os comunicados de prisão em flagrante serão encaminhados ao juízo criminal competente para decisão.

Fale conosco sobre esta página