O Sistema de Busca de Ativos do Poder Judiciário (SISBAJUD), recente sistema lançado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que substituiu o BACENJUD, criado em meados dos anos 2000, tem apresentado problemas técnicos desde sua implantação em virtude da migração dos dados, conforme esclarece a Diretoria de Tecnologia da Informação da Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás (CGJGO). 

A equipe da DTI da Corregedoria informa ainda aos magistrados e servidores do Poder Judiciário que a área técnica responsável pelo sistema do CNJ já foi acionada e está trabalhando para sanar o problema o mais breve possível. O SISBAJUD é um sistema desenvolvido pelo CNJ em parceria com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e o Banco Central para localização e bloqueio de ativos de devedores com dívidas reconhecidas na Justiça.

A nova ferramenta, lançada em 25 de agosto deste ano, tem como principal objetivo, de acordo com o CNJ, a necessidade de renovação tecnológica, permitindo, assim, a inclusão de novas e importantes funcionalidades, o que já não era possível com o Bacenjud, tendo em vista a natureza defasada das tecnologias nas quais foi originalmente escrito.

Bloqueados R$ 55,9 bilhões em 2019

Ao longo de 19 anos, o Bacenjud acumulou números expressivos. Segundo o CNJ, só no ano passado, a partir de 18 milhões de ordens judiciais, foram bloqueados R$ 55,9 billhões, dos quais R$ 31,2 bilhões se transformaram em depósitos judiciais para o pagamento de credores. (Texto: Myrelle Motta – Diretora de Comunicação Social da Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás)

Fale conosco sobre esta página