O presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), desembargador Carlos França, exonerou, a pedido, Dayana Moreira Guimarães do cargo de juiz de Direito de entrância intermediária. Conforme o Decreto Judiciário nº 2.325/2021, assinado nesta terça-feira (14), a exoneração tem data a partir de 23 de agosto de deste ano.

Dayana Moreira Guimarães ingressou na magistratura em 22 de setembro de 2005. Nestes 16 anos dedicados à carreira, atuou nas comarcas de Valparaíso de Goiás, Minaçu, Formosa, Jaraguá e, desde 2014, estava como titular do 2º Juizado Especial Cível da comarca de Anápolis.

Antes de ingressar nos quadros da magistratura goiana, Dayana foi servidora do Poder Judiciário Estadual e, inclusive, ocupou o cargo de Assistente de Juiz no gabinete do presidente Carlos França quando ele atuava como juiz da 6ª Vara Cível da comarca de Goiânia. “Nesta época, a doutora Dayana já demonstrava ser uma profissional diferenciada, pois trabalhava com dedicação e competência inigualáveis”, lembra o presidente. Como servidora, ainda compôs equipes em gabinetes de desembargadores do Tribunal.

O chefe do Poder Judiciário goiano também destaca sua dedicação como magistrada, para quem a juíza atuou “sempre no sentido de oferecer uma prestação jurisdicional de forma célere e justa, honrando a toga. Zelou por manter uma boa convivência com servidores e colegas magistrados, além de tratar com urbanidade partes e representantes do sistema de justiça”.

Ao acolher o pedido da exoneração, o presidente ainda registrou “agradecimentos pelos relevantes serviços prestados ao Poder Judiciário do Estado de Goiás e à sociedade goiana durante o tempo em que atuou na magistratura estadual e fazendo votos para que seja feliz na sequência de sua vida profissional, familiar e pessoal”, finalizou.

Despedida
Dayana Moreira Guimarães trabalhou por quase 20 anos no Poder Judiciário goiano. Ela, que completa 40 anos no dia 18 setembro, afirma que, depois de dedicar metade da vida ao TJGO, “entendeu o propósito de Deus em sua vida.” Foi uma decisão difícil e tomada após muita reflexão, segundo relata, pois envolvia não só a sua vida como de toda a família.

“Saio com uma sensação de que passei por uma grande escola em que fui docente e discente, tanto ensinei quanto aprendi, e honro todo esse aprendizado que o Poder Judiciário me proporcionou”. Para ela, a magistratura vai muito além do cargo, pois é uma carreira que exige que juízas e juízes se posicionem diante de vidas. “São entregas que precisam de muita dedicação”.

Ao encerrar a carreira, Dayana também presta seu reconhecimento a todos com quem conviveu. “Deixo meu abraço, profundo respeito, minha honra e meu carinho por todos. Meu profundo agradecimento, em nome do desembargador Carlos França, a todos os servidores, à minha equipe, aos meus amigos e colegas de magistratura e, ainda, à colaboração dos advogados, promotores e defensores. Hoje a minha missão se encerrou, eu sigo um outro caminho com o coração alegre e feliz”. (Texto: Daniela Becker / Foto: arquivo pessoal / Arte: Wendel Reis - Centro de Comunicação Social do TJGO). 

 

Fale conosco sobre esta página