O Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) conquistou, pela primeira vez, o selo Ouro no Prêmio CNJ de Qualidade 2022. Na premiação inédita, o TJGO foi o primeiro colocado entre os sete tribunais de justiça estaduais que alcançaram o Ouro, com a melhor pontuação geral – 80,16%. O resultado ainda certificou o TJGO como o segundo melhor do país no grupo dos tribunais de médio porte. Na classificação geral, destaque para o primeiro lugar em transparência e o segundo em governança dentre todos os 27 tribunais de justiça do país. Goiás também é o segundo melhor em produtividade considerando os tribunais de médio porte.

O presidente do TJGO, desembargador Carlos França, comemora a evolução do tribunal na maior premiação do Judiciário brasileiro. “Hoje é um dia de celebração. Este é o resultado de um esforço coletivo para aperfeiçoamento da Justiça em Goiás. Nosso foco é a prestação jurisdicional célere e de qualidade e, para isso, idealizamos nossa gestão na valorização das orientações do Conselho Nacional de Justiça ao priorizar a eficiência, a transparência e a responsabilidade da Justiça brasileira".

Resultado
No prêmio, em cada segmento de justiça, os tribunais são classificados em três categorias: “Diamante”, “Ouro” e “Prata”. O resultado destaca os avanços do Poder Judiciário goiano em quatro eixos principais: governança; produtividade; transparência; dados e tecnologia. Na edição 2022, foram 52 requisitos avaliativos, subdivididos em 170 itens a serem cumpridos.

Na cerimônia de premiação, o conselheiro Richard Pae Kim – presidente da Comissão Permanente de Gestão Estratégica, Estatística e Orçamento do CNJ e da Comissão que avalia o Prêmio CNJ de Qualidade – ressaltou que “o resultado representa o reconhecimento de um grande esforço que coloca o Poder Judiciário em um papel cada vez mais próximo do cidadão, com mais efetividade e mais transparência dos serviços prestados”. O juiz auxiliar da Corregedoria-Geral de Justiça de Goiás, Gustavo Assis Garcia; a secretária-geral da Presidência, Dahyenne Mara Martins Lima Alves; a diretora de Planejamento e Inovação, Mislene Medrado, e o coordenador de Planejamento e Inovação, Diego César, acompanharam a entrega do prêmio em Brasília.  

O presidente Carlos França ressaltou que o resultado é consequência de uma jornada de esforço e dedicação da Presidência, da Corregedoria-Geral da Justiça, da Ouvidoria, das desembargadoras e dos desembargadores, dos juízes auxiliares, magistradas e magistrados de primeiro grau, dos diretores, servidores, terceirizados e estagiários do TJGO. O chefe do Poder Judiciário estadual destacou, ainda, que o trabalho ético, responsável e com dedicação foram fundamentais para atingir este nível de evolução na avaliação do CNJ.

"O ano passado conseguimos evoluir e conquistar o selo Prata, este ano demos um outro salto e chegamos na conquista do selo Ouro. Todos são merecedores de nosso reconhecimento e agradecimento. Este dia reforça o compromisso que estamos trabalhando para que a população conte sempre com a Justiça de Goiás", disse o presidente do TJGO.

Avaliação
O Prêmio CNJ de Qualidade utiliza uma metodologia de avaliação dos tribunais sob o olhar do acompanhamento das políticas judiciárias, eficiência, gestão e organização de dados. No começo da gestão, a Presidência realizou uma divisão dos itens entre os quatro juízes auxiliares – Sirlei Martins da Costa, Jussara Cristina Oliveira Louza, Aldo Sabino e Reinaldo de Oliveira Dutra, de modo que cada item de premiação foi acompanhado por um dos juízes auxiliares, o que possibilitou maior apoio a todas as áreas envolvidas. As áreas responsáveis pelo acompanhamento dos itens do Prêmio CNJ de Qualidade são a Secretaria-Geral da Presidência, Diretoria de Planejamento e Inovação e a Diretoria de Estatística e Ciência de Dados. (Centro de Comunicação Social do TJGO). 

  •    

    Ouvir notícia: