“Vamos cuidar hoje de nossas crianças para não precisarmos puní-las amanhã”. Foram com essas palavras que o desembargador Luiz Eduardo de Sousa declarou implantado o programa Amparando Filhos na comarca de Cristalina, na tarde da última sexta-feira (28). A solenidade contou com o auditório do Tribunal do Júri lotado por apoiadores que fazem parte da Rede de Proteção. Os presentes se emocionaram também com a palestra do juiz Fernando Augusto Chacha de Rezende, idealizador e coordenador executivo do programa, que explanou a realidade das crianças, filhos de mulheres em cumprimento de pena privativa de liberdade.

Cristalina é a 19ª comarca a contar com o apoio do programa Amparando Filhos no Estado de Goiás. Em quase quatro anos do programa, mais de mil pessoas foram beneficiadas, sob os dois vieses: promoção de encontros humanizados entre mães presidiárias e seus filhos, longe do ambiente carcerário e em espaço lúdico, e sem os constrangimentos trazidos com as revistas e procedimentos de segurança; e acompanhamento dessas famílias, com abordagens multidisciplinares, com psicólogos e assistentes sociais.

O juiz Fernando Chacha apresentou números que alertam toda a sociedade “Só no Brasil são aproximadamente cem mil crianças que estão vivendo sem a presença dos pais, porque os mesmos estão presos." Ao mesmo tempo. ele indaga a plateia: “Quem cuida dessas crianças?." E ele mesmo responde: "Por isto estamos aqui. E é somente através dessa corrente solidária que poderemos transformar essa realidade."

A juíza Priscila Lopes da Silveira, titular da Vara Civel, Família, Infância e Juventude, e coordenadora do programa na comarca de Cristalina, parabenizou o Tribunal de Justiça de Goiás e o juiz Fernando Chacha pela ideia e implantação do programa Amparando Filhos “Esse é um programa vencedor, pois sabemos dos resultados alcançados por onde já foi implantado, com reincidência quase zero para as mulheres” e convocou toda a comunidade para abraçar o programa na comarca: “Agora, nos resta trabalhar muito para ajudar nossas crianças." Ela também afirmou que conta com a colaboração de todos dessa rede: conselheiros tutelares, agentes da educação, membros do Centro de Referência de Assistência Social (CREAS),integrantes do  Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CRAS), do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) e das demais entidades religiosas e organizadas da sociedade local.

Sensibilidade

A juíza Yanne Pereira e Silva, diretora do foro local, destacou a sensibilidade dos três juízes que atuam na comarca “Tenho que enaltecer o trabalho dos magistrados que, preocupados com o bem-estar dessa comunidade, vão além simplesmente dos processos, mas se engajam e desenvolvem outras atividades de cunho social. Veja o programa COM VIVER Inclusão na Justiça, idealizado e implantado neste fórum para oferecer trabalho aos portadores de necessidade especiais. Tenho certeza que vamos alcançar bons resultados”, completou a juíza.

Além do juiz Thiago Inácio de Oliveira, do prefeito de Cristalina, Daniel Sabino Vaz, outras autoridades também prestigiaram o evento. (Texto e Fotos: Wagner Soares / Centro de Comunicação Social do TJGO)

Veja a galeria de fotos

Fale conosco sobre esta página