“O senhor aceita Rodrigo como seu filho e o Rodrigo aceita você, seu Francisco, como pai?” A pergunta foi feita durante uma audiência de conciliação no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) da comarca de Cidade Ocidental, na qual houve um reconhecimento de paternidade socioafetiva.

Em tempos paradoxos experimentados pelo isolamento social devido ao novo coronavírus o termo ressignificar representa este atípico Dia dos Pais. Contudo, esse cuidado já é um ato de amor e reforça que não há distância física quando estamos próximos afetivamente de quem amamos. Ser pai não é só gerar um ser humano, mas ser o pilar de uma vida!

Justamente como pai e avô, missão divina a mim confiada por Deus, que parabenizo todos os pais magistrados, servidores, terceirizados e estagiários que compõem o quadro do Poder Judiciário do Estado de Goiás e da Corregedoria-Geral da Justiça, dando o melhor de cada um para o desenvolvimento das atividades deste Tribunal.

A pandemia vai passar, mas o amor de pai é para sempre!

Desembargador Kisleu Dias Maciel Filho
Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Goiás

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realizará em meio virtual, no dia 12 de agosto de 2020, reunião pública para debater sobre igualdade racial no Poder Judiciário. Os interessados em participar deverão inscrever-se até sexta-feira (7), por meio deste link. O evento ocorrerá por meio da plataforma Cisco Webex com transmissão pelo Youtube.

A Lei Maria da Penha completa, nesta sexta-feira (7), 14 anos de existência, num cenário pouco positivo para as vítimas de violência doméstica, que, durante a pandemia provocada pelo novo coronavírus, ficaram isoladas em casa com seus agressores. Do começo do ano até agora, já foram julgadas 13.882 ações relacionadas à violência doméstica no Poder Judiciário goiano.