Ricardo de Araújo Teixeira será julgado nesta quinta-feira (28) no 1º Tribunal do Júri de Goiânia, a partir das 8h30.  Acusado de homicídio qualificado de Pamella Munike Gonçalves Volpato e tentativa de homicídio a Wallison Nogueira Teixeira e Bruno Volpato Dutra, a sequência de crimes está ligada a brigas entre torcidas organizadas de times de futebol de Goiás. O julgamento será presidido pelo juiz Jesseir Coelho de Alcântara.

De acordo com a acusação do Ministério Público (MP), o réu, integrante da torcida Sangue Colorado, do Vila Nova, tinha a intenção de atingir Wallison, participante da Torcida Força Jovem, do Goiás Esporte Clube. No dia 6 de dezembro de 2011, Wallison, Bruno e Pâmella voltavam de uma festa na Vila Mauá quando Ricardo, que estava em uma motocicleta, desferiu vários tiros contra os três e atingiu somente a garota, que morreu no local.

Segundo o magistrado, “o réu é acusado por homicídio e tentativa de homicídio qualificados por motivo fútil e recurso que impossibilitou a defesa das vítimas” e, por conta disso, foi indiciado pelo artigo 121 do Código Penal Brasileiro, §2º, inciso II (motivo fútil) e IV (impossibilitou a defesa do ofendido), em relação a Pâmella. E duas vezes no artigo 121, §2º, incisos II e IV, inciso II (não se cumpre a execução por circunstâncias alheias à vontade do agente) em relação às vítimas Wallison e Bruno.

Consta nos autos que o crime foi motivado após uma partida de futebol entre Goiás e Vila Nova no Estádio Serra Dourada, onde Wallison foi fotografado ao lado de um simulacro de caixão, com as cores do Vila Nova, com a inscrição L.A., abreviação de Lucas Arantes, amigo do denunciado, morto por torcedores do Goiás em meados de 2011. (Texto: Jovana Torres – estagiária do Centro de Comunicação Social do TJGO)

Fale conosco sobre esta página