Apenas nesta terça-feira (23), primeiro dia do programa Acelerar Previdenciário, promovido na comarca de Caiapônia, foram realizadas 112 audiências, resultando em 93,58% dos processos resolvidos de forma definitiva, ou seja, sentenciados. A iniciativa segue até a sexta-feira (26) e a expectativa é que passem pelo fórum local quase mil pessoas entre partes, advogados e testemunhas.

A juíza Placidina Pires (foto abaixo), da 6ª Vara Criminal dos Crimes Punidos com Reclusão de Goiânia, condenou os seis responsáveis de uma central de distribuição de entorpecentes na capital, que trabalhavam com entrega de drogas na casa de usuários. O líder do grupo, Silas Coelho Costa Júnior, foi sentenciado a 18 anos, 11 meses e 15 dias de prisão.

A juíza da 1ª Vara Cível de Luziânia, Flávia Cristina Zuza, condenou um dentista da cidade a pagar danos morais e estéticos, arbitrados em R$ 3 mil, a um paciente que perdeu coroa dentária durante viagem de férias. Na sentença, foi considerado que a relação estabelecida pelas partes se enquadra no Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Até setembro de 2020, o programa Justiça Presente, que tem o objetivo de fortalecer uma política pública de Estado para enfrentamento dos problemas do sistema penitenciário em todo o País, deve estar completamente implantado no Estado de Goiás, data em que a população deverá começar a perceber as primeiras mudanças. Esta é a expectativa do juiz auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Márcio da Silva Alexandre, que integrou, nesta segunda-feira (22), reunião para adesão do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) ao programa, num encontro que reuniu representantes do Ministério Público, Defensoria Pública, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Conselho Penitenciário, Executivo e Legislativo.

Fale conosco sobre esta página