Com a presença do corregedor-geral da Justiça do Estado de Goiás, desembargador Walter Carlos Lemes, foi inaugurado nesta terça-feira (20), em Israelândia, um dos primeiros presídios de Goiás que abrigará apenas mulheres. A iniciativa é do Judiciário local, que está sob a responsabilidade do juiz Marcos Boechat Lopes Filho, diretor do Foro, em parceria com o Ministério Público e representantes do Conselho da Comunidade, além do apoio da Administração Penitenciária e de policiais que atuam na comarca.

foto matéria myUm papel facilitador para alcançar uma Justiça mais célere, eficaz e de qualidade, pautado essencialmente pela orientação, pela gestão e pela promoção de uma integração harmônica entre magistrados, servidores, cartorários dos serviços extrajudiciais e cidadãos em geral. Essa nova roupagem adotada pela Corregedoria-Geral da Justiça de Goiás (CGJGO) na atual gestão, comandada pelo desembargador Walter Carlos Lemes, a exemplo das mudanças que vem ocorrendo com órgãos correicionais de todo o País, é refletida especialmente durante as reuniões promovidas com os respondentes das serventias extrajudiciais durante a realização do Projeto Encontro Regional. 

Oportunizar às entidades públicas ou privadas com finalidade social uma forma legal e inovadora para obter verba que sirva de auxílio nas suas necessidades básicas, e, ao mesmo tempo, oferecer aos magistrados uma alternativa para destinar os recursos provenientes de condenações por danos morais coletivos em ações judiciais. Atenta a essa missão de natureza eminentemente social, a Corregedoria-Geral da Justiça de Goiás instituiu, por meio do Provimento nº 25, de 11 de julho de 2018, o Banco de Projetos Sociais justamente com essa finalidade. Para concretizar essa ação, já está disponível no site da CGJGO o endereço eletrônico do Banco de Projetos Sociais (link: http://corregedoria.tjgo.jus.br/basesocial) para as entidades que tiverem interesse em proceder à habilitação. 

Uma paixão fulminante da vida real, nada convencional, que mais parece retirada de um livro de contos de fada. É dessa forma que pode ser descrita a história da funcionária terceirizada da creche do Poder Judiciário (Centro Educacional Infantil - CEI), Odete Oliveira Batista, de 50 anos, com Natalino Oliveira da Silva, de 72, que assim que se conheceram, dentro de um ônibus que faz o trajeto do Eixo Anhanguera, se apaixonaram à primeira vista e foram morar juntos no mesmo dia. Juntamente com outros 70 casais eles oficializaram a união de um ano durante a 3ª edição do casamento comunitário promovido nesta terça-feira (40) pela Corregedoria-Geral da Justiça de Goiás (CGJGO), por meio do Programa Pai Presente. A cerimônia aconteceu na sede da Associação dos Magistrados de Goiás (Asmego). 

  •    

    Ouvir notícia: