O atendimento ao público externo estará suspenso nos dias 23 e 24 de agosto, segunda e terça-feira, na Serventia de Tabelionato de Notas, do Protesto de Títulos, Tabelionato e Oficialato de Registro de Contratos Marítimos, de Registro de Imóveis, de Títulos e Documentos, Civil das Pessoas Naturais, e de Interdições e Tutelas do distrito judiciário de Chapadão do Céu, integrante da comarca de Serranópolis, em razão da transmissão do acervo. Apenas atos urgentes serão praticados, com retorno das atividades no dia 25 de agosto (quarta-feira). A determinação consta da Portaria nº 11/2021, assinada pelo juiz Adenito Francisco Mariano Júnior, diretor do Foro local. 

As transformações que remetem aos tempos atuais contribuíram para consolidar o entendimento da educação como um fenômeno plurifacetado e, nesta perspectiva, a discussão e a atuação acerca da formação do pedagogo para a área jurídica é uma nova exigência da sociedade contemporânea. Esses profissionais da área de educação, pela amplitude de conhecimentos, penetram no universo da Justiça e do Direito, promovendo desta forma, uma visão crítica e reflexiva perante as inúmeras situações relacionadas à violência, à intolerância e às situações de conflito. Visando justamente expor a importância e o papel desempenhado pelo pedagogo jurídico, especialmente nas Varas da Infância e Juventude do Estado de Goiás, a pedagoga Cyntia A. de Araújo Bernardes, que integra a Equipe Interprofissional Forense da Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás, lançou recentemente, de forma pioneira, o livro “Pedagogia Jurídica: contribuições do pedagogo em Varas de Infância e Juventude”.

Em todos os tempos sempre existirão justificativas para a celebração de seres, aos quais o Pai celestial concedeu a essencialidade das diferentes formas de vida, alguns com acentuada responsabilidade pela missão que lhes é confiada divinamente.

Sem sombra de dúvida, uma das maiores e mais dignificantes de um ser humano é ser pai. Ser pai não é só gerar uma vida, mas cuidar, proteger, amar e ensinar o caminho certo, de mãos dadas, em um ato de companheirismo contínuo.

Ser pai não é apenas entoar voz grossa de autoridade, mas ter sempre um sorriso de ternura no rosto e um colo amigo para os momentos mais difíceis da vida. É, sobretudo, ter sabedoria para ensinar e também estar disposto a aprender com o seu filho. É dar o exemplo de vida acentuando valores de generosidade, honestidade, persistência e coragem.

Ainda neste ano, mesmo com a chegada da vacina, vivemos um Dia dos Pais atípico, em um clima emocional diferenciado, turvado pelas perdas pessoais, de entes queridos, em todas as camadas sociais e quadrantes geográficos, devido ao cenário pandêmico.

Muitos filhos perderam seus pais para a Covid-19 e milhares precisam passar esse dia distante deles justamente para preservá-los. Por essa razão, a data ganha um significado ainda mais expressivo. Não obstante, há que se celebrar, tanto a saudade, quanto a vida.

Entre nós, do Poder Judiciário, e em quantos se espraiam por todos os horizontes, essa chama da vida e da esperança deve permanecer acesa permitindo que pais e filhos prossigam superando as vicissitudes e transformem este dia em mais uma oportunidade para que a saúde, o amor e a paz fomentem melhores dias que, sob as bênçãos de Deus, logo virão.

Feliz Dia dos Pais a todos os pais que integram o Poder Judiciário goiano, sejam  magistrados, servidores, estagiários e terceirizados, dando o melhor de si para o desenvolvimento das atividades, judiciárias ou administrativas, especialmente aqueles que compõem com maestria e competência a Corregedoria-Geral da Justiça de Goiás, bem como aos que fazem parte do nosso sistema de Justiça!

Desembargador Nicomedes Domingos Borges
Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Goiás

 

Em data de tamanha relevância institucional, podemos perceber ao longo da história uma evolução de grande importância na jurisdição. No entanto, a formação, a importância, a responsabilidade e o respeito permaneceram com o decorrer do tempo, gerando cada vez mais a grandeza da função da magistratura em consonância com a imparcialidade e a busca pela organização da sociedade.

A sua incumbência principal surge quando se ultrapassa o mero interpretar das leis e passa-se a garantir tanto a normatividade, quanto a efetividade da norma, transformando o Direito em algo mais democrático a ponto de alcançar a realidade social. Assim, há a possibilidade de assegurar a promoção da Justiça levando-se em consideração a pluralidade da sociedade contemporânea.

Essa missão árdua e dignificante tem sido cumprida à risca pelas nossas magistradas e pelos nossos magistrados que, com dedicação e compromisso, dão o melhor de si no cumprimento do seu mister, ampliando os canais de cidadania, enaltecendo os valores da isonomia e da dignidade, sempre na vanguarda das emergentes questões de amplitude social.

Por essa razão precípua, rendo honrosamente minhas sinceras homenagens a todas as magistradas e a todos os magistrados garantidores da democracia e da Justiça, cujos atos judicantes contribuem para o bem comum, já que, a composição de conflitos decorrentes da própria convivência humana é para poucos e a pacificação social também faz parte do nosso ofício.

No dia em que comemora-se, também, a criação dos primeiros cursos jurídicos no Brasil e a implantação das duas primeiras faculdades de Direito no País, no ano de 1827, não poderia deixar de homenagear, em uma carreira pautada tantos anos pelo trabalho desenvolvido na advocacia, as advogadas e advogados do nosso Estado.

Esses profissionais são responsáveis por representar os cidadãos perante a Justiça, garantindo, de forma indispensável, a igualdade, a liberdade e a defesa dos direitos humanos.

A esperança reside em cada gota de contribuição da Justiça que se faz para aplacar o deserto que o drama humano produz, e a solução para um mundo melhor, quem sabe, resida na conscientização de que a cada gota que se contribui, cria-se um oceano.
 
Que a importância dessa data esteja sempre contida em um ensinamento do jurista Piero Calamandrei: “A primeira igualdade é a Justiça e a mais bela função da humanidade é saber administrá-la”.

Parabéns a todas as magistradas e magistrados que integram o Poder Judiciário goiano, bem como às advogadas e advogados que são essenciais ao exercício da plena cidadania!

Desembargador Nicomedes Domingos Borges
Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Goiás

Em cumprimento à sua missão institucional, cujos projetos têm natureza de amplo alcance social, a Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás, que tem à frente o desembargador Nicomedes Domingos Borges, adere neste mês ao Agosto Lilás como forma de demonstrar apoio à campanha inerente ao Projeto de Lei nº 3855/20, aprovado recentemente pela Câmara dos Deputados, que tem a finalidade de conscientizar a população pelo fim da violência contra a mulher. Desta forma, durante todo este mês, o site da CGJGO passa a ter tons de lilás (https://www.tjgo.jus.br/index.php/corregedoria-menusuperior/apresentacao-corregedoria) em referência a esse importante trabalho de combate a violência doméstica afeto a toda a sociedade.

Fale conosco sobre esta página