Visando sempre assegurar à sociedade a boa e efetiva prestação jurisdicional, a Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás disponibilizará dois ramais para atendimento do público em geral em casos de urgência durante o período do recesso forense, compreendido entre 20 de dezembro de 2021 e 6 de janeiro de 2022.

Foi divulgado nesta quarta-feira, 15, pela equipe da Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás o cronograma (clique aqui) estabelecido para a realização do primeiro casamento comunitário após o período pandêmico que será realizado pelo órgão censor em 25 de março de 2022. O cronograma foi apresentado aos representantes dos cartórios do Registro Civil de Goiânia e da Região Metropolitana, durante reunião on-line sobre o casamento comunitário para as respectivas tratativas e orientações gerais conduzida pelo juiz Ricardo Dourado, auxiliar da CGJGO e responsável pelo âmbito do extrajudicial em Goiás. 

A educação é um dos fatores mais importantes para o desenvolvimento físico, psicológico, social e cultural de um ser humano. Nas salas de aula ampliamos o nosso mundo através de livros e conhecimentos adquiridos e quando se trata de crianças na fase escolar, especialmente na primeira infância, a questão é ainda mais séria, pois existe a responsabilidade pela formação de valores e aquisição de habilidades que poderão norteá-la na vida adulta. Infelizmente grande parte dessas crianças são privadas do estudo pela condição econômica dos pais e falta até mesmo o dinheiro para o material escolar. 

Em observância à Resolução nº 404, de 2 de agosto de 2021, do Conselho Nacional de Justiça, que estabelece diretrizes e procedimentos, no âmbito do Poder Judiciário, para a transferência e o recambiamento de pessoas presas, foi editado pela Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás o Provimento nº 75, de 11 de novembro de 2021, que altera os artigos 327, 328, 334 e 340 do Código de Normas e Procedimentos do Foro Judicial da CGJGO. A mudança é uma adequação às diretrizes estipuladas pelo CNJ na referida resolução. 

Um dos direitos mais básicos de um cidadão é o de ter o nome do pai nos seus documentos oficiais e o impacto que essa ausência pode causar na vida de uma pessoa é enorme. Visando justamente minimizar esse cenário, assegurando a todos, sem distinção, esse benefício a Corregedoria-Geral da Justiça de Goiás, em um resgate da dignidade humana, dá uma demonstração clara de comprometimento, responsabilidade e respeito nos quase 2 mil atendimentos (1.746) realizados desde 25 de fevereiro de 2021, que totalizaram 211 reconhecimentos de paternidade e 22 audiências pela via on-line, somente na Comarca de Goiânia.